Portal Namazonia - Completo pra você

Terça, 16 de agosto de 2022
MENU

Política

Senadores cobram empenho nas investigações sobre assassinatos no Amazonas

Senadores estiveram com representantes da força tarefa que investiga os assassinatos e de outros órgãos federais envolvidos Fonte: Agência Senado

Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

A Comissão Temporária sobre a Criminalidade na Região Norte, criada para investigar as mortes do jornalista Dom Phillips e do indigenista Bruno Araújo, fez, nesta quinta-feira (30), diligências no estado do Amazonas. Além de se reunir com representantes dos povos indígenas, os senadores estiveram com representantes da força tarefa que investiga o caso e de outros órgãos federais envolvidos. A intenção é esclarecer não só quem matou Bruno e Dom, mas também o motivo do crime.

— Por que uma base da Polícia Federal nas proximidades foi desarticulada? Quem está acompanhando e investigando este caso? Por que o trabalho da Funai foi desarticulado? Queremos obter a resposta não somente sobre quem matou Dom e Bruno.  É preciso saber as causas pelas quais Dom e Bruno vieram a ser assassinados — disse o presidente da Comissão, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

Os parlamentares se reuniram com representantes dos povos indígenas na sede da União dos Povos Indígenas do Vale do Javari. Foram deles grande parte dos esforços nas buscas pelo indigenista e pelo jornalista desde o desaparecimento no dia 5 de junho.

— A expectativa que nós temos é de ouvir muito e acompanhar essas investigações. Nós sabemos que em todo crime é necessário que o poder público atue de forma rápida. A justiça atrasada não é justiça, senão injustiça qualificada e manifesta. É necessário que o poder público estatal seja atuante, presente, coletando essas provas de natureza objetiva e subjetiva — disse o senador Fabiano Contarato (PT-ES) antes da reunião.

Contarato, que é vice-presidente do colegiado, atuou na viagem como relator ad-hoc (para o ato específico), em substituição ao relator da Comissão, senador Nelsinho Trad (PSD-MS), que apresentou sintomas de covid-19. Para Contarato, é preciso esclarecer se houve um mandante para o crime e responsabilizar todos os culpados.

Na parte da tarde, os senadores voltaram a Tabatinga para reunião com a força tarefa, que inclui Polícia Federal, Polícia Civil, Polícia Militar, Defesa Civil, Exército e Marinha. Também participaram da reunião representantes da Fundação Nacional do Índio (Funai) e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama).

— Viemos com a vontade de  falar com os povos indígenas, com todos os interessados, mas acima de tudo de tudo ouvir. Ouvir os povos originários, ouvir a Funai, ouvir todos que estão hoje nessa realidade aqui da região, que é preocupante — disse a senadora Leila Barros (PDT-DF).

Também participaram das diligências o senador Eduardo Velloso (União-AC) e os deputados federais José Ricardo (PT-AM), presidente da Comissão externa da Câmara que acompanha o caso; Joenia Wapichana (Rede-RR), vice-presidente da Comissão; Vivi Reis (Psol-PA), relatora do colegiado; João Daniel (PT-SE); Rodrigo Agostinho (PSB-SP) e Erika Kokay (PT-DF).

 

Fonte/Créditos: Agência Senado

Créditos (Imagem de capa): Roberto Stuckert Filho/Gab. Senador Humberto Cost

Comentários:

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )